PT-BR  FR 
Busca    
Newsletter Fale conosco √Ārea reservada
IPEAK
ALLAN KARDEC
O QUE √Č O ESPIRITISMO
A SOCIEDADE ESP√ćRITA DE PARIS - SPEE
OBRAS DE ALLAN KARDEC
HIST√ďRIA DO ESPIRITISMO
ROTEIROS DE ESTUDOS - IPEAK
Na opini√£o dos amigos

Sr. Levent,[1] vice-presidente da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas

 

O Mestre possuía uma fisionomia ao mesmo tempo benevolente e austera, um tato perfeito, uma justeza de apreciação, uma lógica superior e incomparável que nos parecia inspirada.

Seus labores eram contínuos; suas correspon­dêcias com as quatro partes do mundo, de onde lhe enviavam docu­mentos sérios, eram logo classificados em sua memória e preciosamente recolhidos para serem submetidos ao cadinho de sua alta razão e formar, depois de um trabalho escrupuloso de elaboração, os ele­mentos dessas obras preciosas que todos conheceis.

Oh! se, como a nós vos fosse dado ver esta massa de mate­riais acumulados no gabinete de trabalho desse infatigável pensa­dor; se, conosco, tivésseis penetrado no santuário de suas medita­ções, veríeis esses manuscritos, uns quase terminados, outros em curso de execução, outros, enfim, apenas esboçados, espalhados aqui e ali, e que parecem dizer: “Onde está agora o nosso mestre, sempre tão madrugador no trabalho?

 

Alexandre Delanne[2] – amigo de Allan Kardec

Ninguém saberia, melhor do que eu, reconhecer as raras qualidades de Allan Kardec e render-lhe justiça.

Muitas vezes, em minhas longas viagens, vi o quanto era ele amado, estimado e compreendido por todos os adeptos. Todos desejavam conhecê-Io pessoalmente a fim de lhe agradecer por ele lhes ter dado a luz através de suas obras e lhe testemunhar sua gratidão e seu inteiro devotamento. Eles ainda o amam até hoje, como a um verdadeiro pai. Todos lhe proclamam o gênio e o reconhecem como o mais profundo dos filósofos modernos. Contudo, estarão em condições de o apreciar em sua vida privada, isto é, em suas ações?

Poderiam avaliar a bondade de seu coração, seu caráter tão firme quanto justo, a benevolência de que usava em suas relações, a caridade efetiva que inundava sua alma, sua prudência e sua extrema delicadeza? - Não!

Muitas vezes eu tive a honra de ser recebido em sua intimidade. Como testemunhei algumas de suas boas ações, creio não ser descabido fazer algumas citações aqui.

Um amigo meu de Joinville, o Sr. P..., veio ver-me certo dia. Fomos juntos à vila Ségur, a fim de visitar o Mestre. No decorrer da conversa, o Sr. P... narrou a vida de privações por que passava um compatriota seu, já avançado em idade e a quem tudo faltava, inclusive agasalhos para se cobrir no inverno, e obrigado a proteger os pés desnudos em toscos tamancos. Esse homem de bem, entretanto, longe estava de se lastimar e, sobretudo, de pedir auxílio: era um pobre envergonhado.

É que uma brochura espírita lhe caíra sob os olhos, permitindo-lhe haurir na Doutrina a resignação para as suas provas e a esperança de um futuro melhor.

Vi, então, rolar uma lágrima compassiva dos olhos de Allan Kardec e, confiando ao meu amigo algumas moedas de ouro, disse-lhe: "Tomai-as para que possais prover às necessidades materiais mais prementes do vosso protegido. E, já que ele é espírita e suas condições não lhe permitem instruir-se tanto quanto ele desejaria, voltai amanhã. Sereis portador de todas as obras de que eu puder dispor, a fim de as entregar a ele". Allan Kardec cumpriu a promessa e hoje o velhinho bendiz o nome do benfeitor que, não satisfeito em socorrer sua miséria, ainda lhe dava o pão da vida, a riqueza da inteligência e da moral.

Alguns anos atrás, recomendaram-me uma pessoa reduzida à extrema miséria, expropriada violentamente de sua casa e jogada sem recursos no olho da rua, com a mulher e os filhos. Fiz-me intérprete desses infortunados junto ao mestre. No mesmo instante, sem querer conhecê-Ios, sem mesmo inquirir de suas crenças (eles não eram espíritas), Allan Kardec forneceu-me os meios de os tirar da miséria, o que lhes evitou o suicídio, pois já haviam decidido libertar-se do fardo da vida, tornado pesado demais às suas almas desalentadas, caso tivessem que renunciar à assistência dos homens.

Permita que eu narre ainda o seguinte fato, em que a generosidade de Kardec rivaliza com sua delicadeza.

Um espírita, residente num lugarejo situado a vinte léguas de Paris, havia pedido a Allan Kardec que lhe concedesse a honra de uma visita, a fim de que assistisse às manifestações espíritas que com ele se produziam. Sempre solícito, quando se tratava de prestar um obséquio, e atento ao princípio de que o Espiritismo e os espíritas devem assistir os humildes e os pequenos, logo partiu, acompanhado de alguns amigos e da Sra. Allan Kardec, sua estimada companheira.

Não teve por que se arrepender de sua resolução, porquanto as manifestações que testemunhou foram verdadeiramente notáveis. Mas, durante sua curta permanência ali, seu anfitrião foi cruelmente afligido pela perda súbita de uma parte de seus recursos. Consternados, os pobres dissimulavam o seu pesar tanto quanto lhes era possível. Todavia, a notícia do desastre chegou a Allan Kardec e, no momento de partir, tendo-se informado da cifra aproximada do prejuízo, remeteu ao administrador da cidade uma soma mais que suficiente para restabelecer o equilíbrio financeiro da situação do seu hospedeiro. O lavrador só tomou conhecimento da intervenção de seu benfeitor após a partida deste.

Antes de terminar, impossível resistir ao desejo de vos revelar este último fato. Uma tarde, certa pessoa de minhas relações, que passava por cruéis provações, mas que a todos ocultava sua miséria, encontrou na portaria uma carta lacrada, restrita a estas simples palavras: "Da parte dos bons Espíritos", contendo recursos suficientes para ajudá-Ia a sair da crítica situação em que se achava. Do mesmo modo que a bondade do mestre lhe descobrira o infortúnio, meu amigo, guiado por alguns indícios e pela voz do coração, logo reconheceu o seu anônimo benfeitor.

Eu não pararia de falar, se me fosse dado lembrar os milhares de fatos deste gênero, conhecidos tão-somente por aqueles que ele socorreu; porque ele não aliviava apenas a miséria material, mas também levantava, com palavras confortadoras, o moral abatido, e isto sem que sua mão esquerda soubesse o que dava a direita.

Eis o coração desse filósofo, tão desconhecido durante sua vida! A despeito de tudo, quem mais do que ele, tão bom, tão nobre, tão grande em suas palavras quanto em suas ações, foi mais alvo da injúria e da calúnia? E, contudo, não tinha como inimigos senão os que não o conheciam; porque, quando o apreciavam melhor, mesmo sem partilhar suas opiniões filosóficas, eram forçados a render homenagem à sua boa-fé.

Seus críticos, que dele não conheciam senão a bandeira, tentaram indispô-Io contra a opinião pública, sem averiguar se os boatos que produziam não continham o menor fundamento. Mas ele empunhou essa bandeira tão altiva e firmemente que nenhuma mancha foi capaz de atingi-Ia, e a lama com que a queriam encobrir apenas sujou a mão dos panfletários.

Caro Mestre, nobre e grande Espírito, paira, em tua majestade, sobre os que te amam e respeitam! Observa os que te são inteiramente devotados! Continua sobre eles a tua intervenção caridosa e protetora! Transmite às suas almas o fogo sagrado que te anima, a fim de que, profundamente convencidos dos imortais princípios que professaste, possam eles marchar sobre tuas pegadas, imitando tuas virtudes! Faze que reinem entre nós a concórdia, o amor e a paz, a fim de que possamos reunir-nos a ti, quando houver soado para nós a hora da libertação!...

 

Sr. E. Muller

A tolerância absoluta era a regra de Allan Kardec. Seus ami­gos, seus discípulos pertencem a todas as religiões: israelitas, maometanos, católicos e protestantes de todas as seitas; perten­ciam a todas as classes: ricos, pobres, cientistas, livres-pensadores, artistas, operários etc. Todos puderam vir aqui, graças a esta me­dida que não compromete nenhuma consciência e constituirá um bom exemplo.

Mas ao lado desta tolerância que nos reúne, é preciso citar uma intolerância que admiro? Fá-lo-ei porque, aos olhos de todos, ela deve legitimar esse título de Mestre, que muitos dentre nós lhe atribuímos. Essa intolerância é um dos caracteres mais marcantes de sua nobre existência. Ele tinha horror à preguiça e a ociosidade: e este grande trabalhador morreu de pé, após um labor imenso, que acabou ultrapassando as forças de seus órgãos, mas não as do Espírito e do coração.

Educado na Suíça, naquela escola patriótica em que se res­pira um ar livre e vivificante, ocupava seus lazeres, desde a idade de quatorze anos, a dar cursos aos seus camaradas que sabiam menos que ele.

Vindo a Paris, e sabendo falar e escrever alemão tão bem quanto o francês, traduziu para a Alemanha os livros da França que mais lhe tocaram o coração. Escolheu Fénelon para o tornar conhecido, e essa escolha denota a natureza benévola e elevada do tradutor. Depois, entregou-se à educação. Sua vocação era ins­truir. Seus sucessos foram grandes e as obras que publicou, gramá­tica, Aritmética e outras, tornaram popular o seu verdadeiro nome, o de Rivail.

Não contente de utilizar suas faculdades notáveis numa pro­fissão que lhe assegurava um tranquilo bem-estar, quis que apro­veitassem os seus conhecimentos aqueles que não podiam pagar e foi um dos primeiros a organizar, nesta fase de sua vida, cursos gratuitos, mantidos na rua de Sèvres, nº 35, nos quais ensinava Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia etc...

É que havia tocado em todas as ciências e, tendo-as bem aprofundado sabia transmitir aos outros o que ele conhecia, com talento raro e sempre apreciado.

Para este sábio dedicado, o trabalho parecia o elemento mes­mo da vida. Assim, mais do que ninguém, não podia suportar a idéia da morte como a apresentaram então, tendo por fim um eter­no sofrimento ou uma felicidade egoísta e eterna, mas sem utilida­de, nem para os outros nem para si mesmo.

Era como predestinado, bem o vedes, a espalhar e vulgarizar esta admirável Filosofia que nos faz esperar o trabalho no além-túmulo e o progresso indefinido de nossa individualidade, que se conserva, melhorando-se.



[1] As falas dos senhores Levent e E. Muller foram extraídas da Revista Espírita de 1869, EDICEL.
[2] Fala extraída do livro O Espiritismo na sua expressão mais simples expressão, e outros opúsculos de Kardec, Ed. FEB.

 

topo da p√°gina voltar imprimir indicar